COMPARATIVOS/TESTES TRANSALP

terça-feira, 7 de outubro de 2014

ITÁLIA 2014


Viagem a Itália, com destino a Roma, com a nossa inseparável TRANSALP.
Sempre por estradas nacionais e alguns troços de auto estrada sem portagens,tenda de campismo,  fogão e sempre a rolar do nascer ao pôr do sol.
O local de pernoita  é sempre uma surpresa, na maioria das vezes corre bem e algumas mal, mas é assim  que gostamos, não fossem isto férias.


 Do Porto a Biaritz já em França consegue-se rolar quase sempre por vias rápidas sem pagar nada e assim despacha-se logo toda a Espanha, depois em França até a costa faz-se uma estrada nacional com boas paisagens e gasolina bastante mais barata que em Portugal,1.38 o litro.
Os franceses são simpáticos e todos os motociclistas na estrada se cumprimentam, são mesmo muitos em todo o tipo de motos, chegando ao ponto de "cansar" tanta saudação, mas ao mesmo tempo é reconfortante a sensação de nunca andar sozinho na estrada.


Depois de uma passagem noturna por Toulouse, chegamos á costa francesa do mediterraneo e as praias, paisagens e boa qualidade da estrada não desfraldaram as nossas expectativas, muitas motos e autocaravanas na estrada, cafés caros e parques de campismo acessíveis.
A quantidade de transito juntamente com as passagens por todas as localidades fizeram-nos demorar muito tempo e andava-mos com uma media de 300 quilómetros em 10 horas, com o calor a apertar foi desgastante.


 Passagem por Marselha, onde existe já há muito tempo corredores BUS também para motos, aqui no Porto chegou agora e dá bastante jeito, ficando-se só com a ideia que estamos a anos luz do conceito de mobilidade urbana dos franceses e italianos,mas estamos no bom caminho (digo eu ).
 

 Algumas preciosidades que encontrei pelo caminho, Honda XL 125, Transalp (primeiro modelo),
Yamaha XT 500.


Como não podia deixar de ser passamos pela conhecida localidade de St. Tropez e apreciamos todo um ambiente de turismo de luxo na marina, com muitos iates, gente bem arranjada e gente que como nós só está de passagem, curiosidade para um iate com a bandeira portuguesa.
Um pouco mais á frente e já perto de Itália passamos por Monte Carlo, no Monaco e aí sim vimos luxo e um ambiente que intimida qualquer simples mortal.
Paramos em frente ao casino de Monte Carlo e apreciamos as maquinas estacionadas na porta, na sua grande maioria Ferraris e Lamborghinis, clasicos e mais recentes,as avenidas estão repletas de lojas das grandes marcas mundiais.
No sitio onde paramos tinha uma placa onde indicava o estacionamento máximo por 30 minutos e com um policia já a olhar-nos de lado decidimos avançar, porque apesar de ser engraçado não era ambiente para nós.


 Já de noite chegamos a Itália e ficamos no primeiro parque de campismo que encontramos na localidade de Ventimiglia, notou-se uma enorme diferença nas estradas e na limpeza das ruas, mais ao jeito nacional, latinos...
No parque de campismo o preço foi negociado a fazer lembrar Marrocos, achei piada e antes de fazer seja o que fosse fomos provar o famoso café italiano que de facto faz jus a sua fama e é muito bom, o preço da gasolina  ronda 1.80 litro, uma grande diferença com França.


Já me tinham avisado que em Itália o pessoal conduz de forma muito marada e de facto é verdade, ninguém respeita as regras e sinais de transito e conduz-se a grandes velocidades,sinceramente não demorei muito a habituar-me e foi sempre na boa.
Seguimos para Pissa para ver a famosa torre inclinada e passamos a noite perto de Livorno num camping local, com uma rápida passagem por Génova


Estávamos a gostar mas o nosso destino era Roma e seguimos viagem, também já estávamos perto e apanhamos uma auto estrada gratuita, de fracas condições comparado com as nossas, mas que serviu para pôr a transalp a andar um bocado mais rápido, as scooters de grande cilindrada são muitas e andam que se fartam com escapes de rendimento, todas kitadas,fazem corar algumas motos de certeza.
Gostei muito de ver os famosos triciclos APE da piaggio a serem utilizados para serviços camarários ou de publicidade,mesmo muito comum em Itália, em Portugal já são sucata.


A cerca de 30 km´s de Roma existe um bom parque de campismo, com acesso direto para a praia e foi lá que nos instalamos, para dar inicio á visita da capital italiana
Ao fim de 2800 km´s e de 6 dias em cima da moto, só queriamos curtir um bocado a praia, a agua é quente, estava-se bem.


 Ao final da tarde decidimos ir ao centro de Roma, a expectativa era alta e quando lá chegamos sentimo-nos emociados com tanta monumentalidade e imponencia e apercebemo-nos rapidamente que um simples fim de tarde não chegava para apreciar tudo.


Dedicamos então o domingo para o regresso a esta cidade maravilhosa e sem duvida que ficamos fascinados com tudo, tivemos ainda a sorte de ver o papa no vaticano a falar para milhares de pessoas na praça S. Pietro.


 O coliseu é quase de visita obrigátoria e tivemos sorte de não pagar bilhete, o primeiro domingo do mes é "free", nos arredores do coliseu os vestigios romanos são muitos e bem preservados, o que nos transporta para outra época, para outro mundo, para todo o lado que se olha só se vê monumentos e quando pensamos ter visto tudo, surgem mais e mais, tudo é grande e imponente, sem qualque duvida é a cidade mais bela que já visitei até hoje.


Obviamente que comemos muita pizza e bebemos muito café, a cerveja tambem é boa e apesar de ver milhares de motos, na sua maioria scooters," sim milhares, porque em Itália todo o mundo anda de scooter", estava a sentir falta de ver VESPAS, até que me deparo com um encontro nacional de Vespas vindas de várias partes de Itália, daquelas verdadeiras a dois tempos, muita fumarada e tudo ao molhe por entre o enorme transito de Roma.
À frente do cortejo vinha uma mulher policia com grande pinta a controlar tudo para que as vespas não parassem, foi a cereja no topo do bolo.


 De regresso decidimos apanhar o barco até Barcelona, foi uma experiencia nova andar de cruzeiro, correu bem, mas 20 horas de viagem é muito tempo, a sensação de só se ver mar é porreira,mas quando nos sentamos na transalp foi um genero de alivio e só queriamos rolar.
Tivemos ainda tempo para conhecer dois casais de mexicanos que andavam pela europa de moto.


Já era fim de tarde quando chegamos a terra e andamos até Saragoza, cerca de 300 km´s, para no dia seguinte fazer mais 1000 até á cidade INVICTA. com paragem obrigatória na área de serviço de Vilar Formoso para comer a conhecida bifana e sopa, bem á portuguesa.
  No total foram 4300 km´s por terra e 700 por mar em mais uma boa tirada com esta fantastica moto.

2 comentários:

Jorge Palma disse...

Muitos parabéns pela história , fiquei com uma vontade imensa de dar um passeio semelhante :) cumps e boas viagens

Miguel disse...

Só agora encontrei este blog e fiquei cheio de vontade de pegar nas duas Marias (mulher e transalp) e sequir por aí fora. Aliás já falamos disso há algum tempo! A mota só falta estar pronta de novo!
Bela reportagem!